Formação do time – apresentação

Aqui quero falar de uma coisa que é o que acontece em todos os projetos, a formação do time. Mas, antes de entrar em mais detalhes gostaria de falar do Modelo de Tuckman (que minha coach Roberta Ribas me ensinou).

Olhe para a figura abaixo:

Modelo_de_Tuckman

Vou colocar exatamente o que está no Wikipedia sobre o assunto, leia:

 

  1. Forming (Formação): Identificação das metas. Caracterizada por um grande entusiasmo e baixos níveis de competências. Nesta etapa ocorre a formação do grupo, são as condições necessárias para que um indivíduo se integre ao grupo: compartilhar metas, tarefas e abordagens no trabalho, se identificar com os outros indivíduos e se sentir parte do grupo. Segundo Tuckman (1965) [2], durante a formação o papel do líder é importante para estabelecimento de relações de dependência com o líder, com o grupo e com normas preexistentes; pode-se dizer que a orientação, ensaios e dependências constituem o processo de formação do grupo.
  2. Storming (Confrontação): Definição das responsabilidades de cada membro. Caracterizada por baixo entusiasmo e níveis de competências. Nesta etapa pouco trabalho é realizado, já que as metas estão definidas, porém os papéis e responsabilidades de cada membro do grupo ainda não, surgindo assim vários conflitos até estas definições.
  3. Norming (Normatização): Definição do processo de trabalho. Caracterizada por aumento de entusiasmo e níveis de competências, aqui o grupo começa a ganhar sua identidade. Aqui existem menos conflitos, já que os membros se conhecem melhor e respeitam suas habilidades. A atuação do líder é essencial para a definição do processo de trabalho e formas de realizar as tarefas. Os processos devem ser adequados aos papéis, anteriormente definidos de acordo com as habilidades de cada um e das metas que originaram o grupo.
  4. Performing (Atuação): Alta produtividade, execução e melhoria do processo. Caracterizada por entusiasmo e níveis de competências altos. Os membros do grupo já entraram em acordo com as metas, processos, papéis, responsabilidades e estilo de trabalho. A necessidade de supervisão é pequena, porque o grupo já consegue produzir e reagir às mudanças por conta própria. A geração de acordos é fruto da confiança, resultando em membros altamente motivados para o trabalho aliado a uma produtividade alta, e juntamente com a cooperação. As regras do grupo estão mais flexíveis e funcionais, a identidade está muito bem definida, há sentimento de orgulho em pertencer ao grupo e lealdade entre os membros.
  5. Adjourning (Dissolução): Fim do processo. Caracterizada pela finalização do processo, seja pela conclusão da tarefa ou desistência do grupo. Este estágio é marcado pelo reconhecimento do grupo com as tarefas e separação dos indivíduos.

Agora vou destacar o que a primeira etapa, a formação do time. Nesse momento muitos líderes não sabem como apresentar as pessoas, como deixá-las a vontade. Uma boa forma de fazer isso é utilizando uma apresentação com todas as pessoas do time, onde cada uma faz uma pequena apresentação sobre si, e se apresenta para os outros. No meu caso eu sempre faço com uma apresentação, e é claro que isso não é obrigatório, porém eu sugiro a todos os líderes que façam isso, e vou além, a minha apresentação tem 4 etapas:

  1. Quem você é: Nome, apelido, telefone, redes sociais;
  2. Conteúdo: Capacidades, conhecimentos, experiências;
  3. Objetivo: Metas para o projeto, qualidades a serem adquiridas;
  4. Hobbies: Basicamente fora do trabalho.

Após esse tipo de reunião geralmente fica mais fácil de mapear pontos como:

  1. O que o time precisa estudar;
  2. Quais tem menor conhecimento;
  3. Quais são mais experientes;
  4. Até mesmo os que têm maior e menor influência no time.

Eu costumo chamar essa dinâmica de “marketing of skills”, eu ouvi esse termo alguns anos atrás em algum vídeo de algum evangelista de ágil (sorry, não lembro o nome e nem o vídeo). E sempre que o time muda isso é necessário na minha visão.

Abaixo tem o modelo de uma apresentação que fiz com meu time atual, espera que seja uma boa referência e que você possa fazer esse alinhamento de formação do time mais rápido.

Abs e até a próxima!

Referências

https://pt.wikipedia.org/wiki/Modelo_de_Tuckman

Anúncios

Oito princípios fundamentais do chefes extraordinários

Por esses dias eu pude ler sobre muitos assuntos, desde Java até medicina chinesa, e claro que li também sobre chefes, e gostei muito desse artigo 8 Core Beliefs of Extraordinary Bosses (8 princípios fundamentais do chefes extraordinários).

Cada um dos tópicos mostra como é um chefe ruim e um bom:

1. O negócio é um ecossistema, e não um campo de batalha.

2. A empresa é uma comunidade, não uma máquina.

3. Gestão é o serviço, não de controle.

4. Meus funcionários são meus pares, e não meus filhos.

5. A motivação vem da visão, não de medo.

6. Mudança é igual a crescimento, não dor.

7. A tecnologia oferece capacitação, não automação.

8. O trabalho deve ser divertido, não mera trabalho duro.

Vale a pena dar uma lida no conteúdo original.

Até a próxima!

Manifesto 501

Passei a conhecer recentemente o Manifesto 501 através desse artigo Manifesto 501: pelo direito à vida pessoal no desenvolvimento postado no site InfoQ, sinceramente eu não achava que havia mais pessoas que pensavam assim, esse manifesto foi criado com moldes semelhantes ao Manifesto Ágil.
Para quem não leu o artigo no InfoQ, esse 501 vem de 5:01, nos Estados Unidos o horário padrão de saída do trabalho, então isso é para aquelas pessoas que no primeiro minuto após o final do expediente já estão preocupadas com seus projetos.
Logo abaixo está a principal parte do Manifesto 501:

Nossas famílias em vez de objetivos comerciais de empresários

Tempo livre, em vez de lanches grátis

Viver nossas vidas em vez de manter nossa marca pessoal

Ritmo sustentável em vez de heroísmo

Projetos pessoais em vez de produtos comerciais de que o mundo não precisa

Ter dinheiro para roupas de qualidade em vez de ganhar camisetas grátis da Microsoft

Jogar pebolim em um bar com amigos em vez de jogar na empresa com o seu líder de projeto

Procurar não ser um idiota, em vez de ser um desenvolvedor rockstar

Eu simpatizei imediatamente com esse manifesto, afinal de contas, nós da área de tecnologia (em sua grande parte) estamos vivendo exatamente isso, não estamos tendo tempo para os nossos familiares, ficamos até mais tarde no trabalho ou viramos a noite e acabamos comendo lanche, não damos atenção para nossa saúde deixando de dormir e de comer corretamente, muitas vezes não fazemos o horário comercial de trabalho, trabalhamos como se não houvesse chance de postergar a atividade por um tempo, nossa maior preocupação é sempre gerar valor ao negócio, poucas vezes pensamos em gerar valor para sociedade e melhorar a vida do próximo, trabalhar para ficar bem de vida é uma coisa, outra é viver em função do trabalho a tal ponto de não ter tempo de fazer um happy hour com nossos amigos… enfim, isso resume a vida de muitos na área de tecnologia.

Já está na hora de nos concentramos um pouco mais em nós mesmos (sem sermos egoístas) e cumprir com o famoso “combinado”, assim como nossos colegas de outras áreas e setores já fazem há muitos anos.

O que você prefere, ter uma vida razoavelmente boa, mas ter saúde para ficar com sua família daqui a 20 anos ou ter uma carreira extremamente bem sucedida e não ter família para compartilhar isso?

Galerização do e-commerce no Brasil

Quem nunca entrou numa galeria com várias lojinhas? Com um grande variedade de produtos? Pois é, parece que o varejo online do nosso país está indo em direção a isso. Com a chegada da Rakuten no Brasil (que comprou a Ikeda e logo tem todos os clientes da Ikeda como seus clientes) iremos vivenciar uma experiência de navegação diferente, podemos escolher produtos de várias lojas e colocá-los no nosso carrinho e pagar tudo de uma única vez, de forma semelhante ao que é feito em galerias, olhamos, pesquisamos e dentro de um espaço pequeno decidimos o que vamos levar ou não, com duas vantagens, primeiro, tudo em um único carrinho de compras, segundo, com a comodidade de ser feito pela internet. Esse modelo é bem comum no mercado oriental, acredito que isso será bem interessante para nós brasileiros, afinal de contas, estamos em um fase ótima em nossa economia e o varejo online é uma das áreas que mais cresce, vamos ver.